iranyszekelyfold.info

Hospedagem de arquivos em português do futuro

FONTE ACKLIN NORMAL BAIXAR


Fontes True type gratis para download. Mais de 25 mil fontes para download, desde fontes do sistema até as mais raras. Aprenda a instalar as fontes, baixe. Nome do arquivo zip: iranyszekelyfold.info Tamanho do arquivo zip: bytes. Arquivo da fonte: iranyszekelyfold.info Tamanho do arquivo ttf: bytes. Download Acklin. Download Fonte Gratis - Acklin Regular. Família, Acklin. Sub-Família, Normal. Versão, Publishers Paradise Media Graphics International Inc. Autor. Companhia .

Nome: fonte acklin normal
Formato:ZIP-Arquivar
Sistemas operacionais: MacOS. Android. iOS. Windows XP/7/10.
Licença:Apenas para uso pessoal (compre mais tarde!)
Tamanho do arquivo:17.63 Megabytes

NORMAL FONTE BAIXAR ACKLIN

Alguém os observava. Que podia embarcar nele quantos homens quisesse. Eles se aproximaram. E mesmo que tentemos o mercado negro, custaria uma fortuna. O Doutor obedeceu, sentindo-se mais do que um pouco aliviado por Aldridge só precisar de cuspe. Preciso ajudar aquelas crianças, vovô.

Nome do arquivo zip: iranyszekelyfold.info Tamanho do arquivo zip: bytes. Arquivo da fonte: iranyszekelyfold.info Tamanho do arquivo ttf: bytes. Download Acklin. Download Fonte Gratis - Acklin Regular. Família, Acklin. Sub-Família, Normal. Versão, Publishers Paradise Media Graphics International Inc. Autor. Companhia . Download Fonte Gratis - Acklin Italic. Família, Acklin. Sub-Família, Italic. Versão, The IMSI MasterFonts Collection, tm , IMSI (International. BAIXAR FONTE ACKLIN NORMAL - Ela olhava para as quatro garotas a duas mesas de distância. Revista Brasileira de Reumatologia, 31 2, De plus de cerros . FONTE ACKLIN NORMAL BAIXAR - Participantes Grupo Índice GI: Revista de Psiquiatria, 20, A case control study. Mulheres de etnias diferentes, fisicamente.

Seu líder, Ganon, transformou toda a Golden Land num reino sombrio e dominado por ele. Quando Ganondorf tenta pegar a Triforce, os três pedaços se separam e ele mantém a Força do Poder. Nesse episódio, a entrada para o reino sagrado onde se situa a Triforce acabou sendo encontrada — meio que por sorte — por um grupo de ladrões com habilidades em magia das trevas.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Din, com seu fortes braços flamejantes, cultivou o terreno para criar a terra. O herói Link deve impedir que os dois mundos se unam, que é o plano de Ganon. É informado pouco antes da batalha triforc que as Forças da Sabedoria e da Coragem ficam respectivamente com Zelda e Link. Da série triforfe Nintendo triiforce, Zeldaa Triforce é uma relíquia sagrada criada pelas deusas Din, Farore e Nayru após estas terem criado o reino de Hyrule.

A valorosa alma de Farore criou todas as formas de vida que fariam a justiça. Noutros projetos Wikimedia Commons. Cada parte da Triforce contem a essência de cada deusa. O local onde a Triforce estava tornou-se sagrado. Esboços maiores que bytes. Pais-Ribeiro, I. Marques Eds. National Institute on Disability and Rehabilitation Research. Long range plan for fiscal years Disponível em 12 Setembro, Spinal cord injury: Facts and figures at a glance.

Website: www. Long-term consequences of spinal cord injury on social participation: The occurrence of handicap situations.

Disability and Rehabilitation, 22, Pound, P. A patient-centred study of the consequence of stroke. Clinical rehabilitation, 12, Rimmer, J. Disability and Rehabilitation, 28 17 , Sherbourne, C. The MOS social support survey. Vik, K. The influence of the environment on participation subsequent to rehabilitation as experienced by elderly people in Norway. Scandinavica Journal of Occuppational Theraphy, 14, Whiteneck, G. Environmental factors and their role in participation and life satisfaction after spinal cord injury.

Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 85, Assim, por oportunidade ou por necessidade, as actividades sociais fazem naturalmente parte do seu quotidiano. The disability paradox: High quality of life against all odds.

Social Sciences and Medicine, 48 8 , Andresen, E. Performance of health-related quality-of-life instruments in a spinal cord injured population. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 80 8 , Health-related quality of life outcomes measures. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 81 Suppl. Bowling, A. Measuring health: A review of quality of life measurement scales 3rd Ed.

Calman, K. Quality of life in cancer patients — An hypothesis. Journal of Medical Ethics, 10, Chatterji, S.

BAIXAR NORMAL FONTE ACKLIN

The conceptual basis for measuring and reporting on health. Geneve: World Health Organization. Cowen, E. Community psychology and routes to psychological wellness. Seidman Eds. Dijkers, M. Quality of life after spinal cord injury: A meta analysis of the effects of disablement components. Spinal Cord, 35 12 , Elfstrom, M. Relations between coping strategies and health-related quality of life in patients with spinal cord lesion.

Journal of Rehabilitation Medicine, 37, Elliot, M. Occupational role performance and life satisfaction in elderly persons. Occupational Therapy Journal of Research, 7 4 , Ferrans, C. Quality of life index: Development and psychometric properties. Advances in Nursing Science, 8, Psychometric assessment of the quality of life index.

Research in Nursing and Health, 15, Inquérito ao Emprego. Kasarda, J. Community attachment in Mass society. American Sociological Review, 39 3 , Lau, A.

Self-perceived quality of life of Chinese elderly people in Hong Kong. Occupational Theraphy International, 5, Leduc, B. Health-related quality of life after spinal cord injury. Disability and Rehabilitation, 24 4 , Leidy, N.

Recommendations for evaluating the validity of quality of life claims for labeling and promotion. Value in Health 2 2 , Levasseur, M. Is social participation associated with quality of life of older adults with physical disabilities? Disability and Rehabilitation, 26 20 , Murphy, G. Employment participation following spinal cord injury: Relation to selected participant demographic, injury and psychological.

Disability and Rehabilitation, 00 0 , Patrick, D. Functional status and perceived quality of life in adults with and without chronic conditions. Journal of Clinical Epidemiology, 53 8 , Prince, M. Impairment, disability and handicap as risk factors for depression in old age.

The Gospel Oak Project V. Psychological Medicine, 27 2 , Perista, H. Os usos do tempo e o valor do trabalho. Ministério do Trabalho e da Solidariedade. Post, M. Services for spinal cord injured: Availability and satisfaction. Spinal Cord, 35, Scherer, M. Outcomes of assistive technology use on quality of life.

Disability and Rehabilitation, 18, Disability and Rehabilitation, 23 9 , Turner, R. Social Integration and Support. Phelan Eds. New York: Springer US. Westgren, N. Quality of life and traumatic spinal cord injury. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 79, Field, A. Martin Eds. International Classification of Functioning, Disability and Health.

Zimmerman, M. Empowerment Theory. Psychological, Organizational and Community Levels of Analyses. Na sociedade ocidental, por exemplo, a morte é ainda considerada um tabu, difícil de aceitar, ainda que seja reconhecida como o término do ciclo biológico dos seres vivos Arregui, ; Tomer, A média de idades da amostra é de 32 anos.

Contém quatro sub-escalas: medo da própria morte, medo da morte dos outros, medo de morrer e medo que os outros morram Lester, No estudo elaborado por este autor sobre a capacidade psicométrica da escala, obteve-se correlações de Alpha de Cronbach entre 0,72 e 0. No presente estudo, e no que se refere aos valores de Alpha de Cronbach, observamos que estes variam entre 0.

As médias das respostas oscilaram entre 2. Em síntese, os resultados quando comparados por grupos, revelaram que os indivíduos mais velhos apresentam valores mais elevados em todas as escalas, indicador de uma maior dificuldade em lidar com a morte e o processo de morrer. Barcelona: Tibidabo Ediciones S. Carr, D. Journal of Heath and Social Behavior, Feifel, H. Psychology and death: Meaningful rediscovery. American Psychologist, 45, Ferreira, C. Aveiro: Universidade de Aveiro Gutierrez, B.

O processo de morrer e a morte no enfoque dos profissionais de enfermagem de UTIs. Kastenbaum, R. The psychology of death 2nd ed. New York: Springer. Desenvolvimento da Tanatologia: estudos sobre a morte e o morrer. Paidéia, 18 41 , Lester, D. The Collett-Lester fear of death scale: The original version and a revision. Death Studies, 14, Naderi, F. Collet-Lester fear of death scale validation and gender-based comparation of death anxiety, suicide ideation and life satisfaction in university students.

Journal Applied Sciences, 9 18 , Assessing attitudes toward dying and death: Psychometric considerations. Omega, 47, Psychological research on death attitudes: An overview and evaluation. Death Studies, 28, Oliveira W. Escala do medo da morte de Collett-Lester.

AcklinCondensed Italic – Fonte Gratis –

The prediction of bereavement outcome: Development of an integrative risk factor framework. Tomer, A. Death attitudes and the older adult. Philadelphia: Brunner-Routledge. Worden, W.

Grief counseling and grief therapy. A handbook for the mental health practioner. New York: Springer Publishing Company. Neste contexto, podemos também falar de cibergrupoterapia, ou seja, a terapia de grupo através da Internet e ainda de ciber peer counseling, ou apoio de pares virtual. Para além disso, a própria escrita pode ser um processo terapêutico e benéfico Pennebaker, No que diz respeito às principais desvantagens, Rochen et al.

Tendo estas ressalvas e necessidades em mente, mas acreditando no potencial dos ambientes virtuais como veículos terapêuticos, a Universidade de Aveiro procurou seguir o exemplo de algumas experiências educativas pioneiras Kirriemuir, , que utilizam o SL como forma de providenciar apoio educativo e psicológico aos seus alunos.

Revisitando uma experiência inédita no nosso país de apoio de pares por recurso a linha telefónica, LUA — Linha da Universidade de Aveiro Pereira, , esta iniciativa transferiu e adaptou os serviços de peer counselling para um ambiente virtual. A confidencialidade das consultas individuais foi garantida pela subida dos gabinetes individuais a uma altitude inacessível a outros avatares m. Durante o período experimental, o espaço online foi visitado por avatares. Exclusive: Second Life starts to grow again [web log post].

Baker, T. Current status and future prospects of clinical psychology — Towards a scientifically principles approach to mental and behavioral health care. Psychological Science in the Public Interest, 9 2 , Drees, D. E-mentoring at the University of Westminster: Supporting first year students in a metropolitan setting. Eftathiou, G. Eysenbach, G. Health related virtual communities and electronic support groups: Systematic review of the effects of online peer to peer interactions.

BMJ, , Freeman, E.

BAIXAR FONTE ACKLIN NORMAL

Online peer support for students. Glasgow, R. The future of health behaviour change research: What is needed to improve translation of research into health promotion practice?

Annals of Behavioral Medicine, 27 1 , Gorini, A. Journal of Medical Internet Research, 10 3 , Health psychology: What will the future bring? Health Psychology, 23 2 , Kirriemuir, J. Kraft, P. CAIS, 24, Current issues and new directions in Psychology and Health: What is the future of digital interventions for health behavior change? Psychology and Health, 24 6 , Miller, J. Life on the line: The therapeutic potentials of computer-mediated conversation.

Journal of Marital and Family Therapy, 24 2 , Mitchell, D. Confronting the challenges of therapy online: A pilot project. Pennebaker, J. Wrtiting about emotional experiences as a therapeutic process. Psychological Science, 8, University Of Hull: Hull, U.

Portnoy, D. Computer-delivered interventions for health promotion and behavioural risk reduction: A meta-analysis of 75 randomized controlled trials, Preventive Medicine, 47, Richards, D. An informal online learning community for student mental health at university: A preliminary investigation. Rochlen, A. Online therapy: Review of relevant definitions, debates, and current empirical support.

Journal of Clinical Psychology, 60 3 , Riva, G. Virtual reality in psychotherapy: Review. Suller, J. Psychotherapy in cyberspace: A 5-dimensional model of online and computer-mediated psychotherapy. Vagos, P. Ambientes virtuais promotores de desenvolvimento e aprendizagem. Cabral Orgs.

Fonseca afonseca porto. Tomadas em conjunto, estas realidades trazem novos desafios à forma como se encara e vive a segunda metade da existência humana. Muitas mulheres envelhecem com desgosto, sofrimento e vergonha: o desejo de serem amadas, desejadas e reconhecidas é travado pelas barreiras do envelhecimento. Com o advento da menopausa, muitos dos sentimentos negativos comuns entre as mulheres tendem a acentuar-se.

No mundo ocidental, desenvolvido sob o ponto de vista científico e tecnológico, a medicina apropriou-se da menopausa e provocou uma autêntica mudança de paradigma. Faces ocultas e o emergir da sexualidade na terceira idade: Um estudo fenomenológico. Brazilian Journal of Nursing, 7 3 , Gott, M. How important is sex in later life? The views of older people. Kessel, B.

Sexuality in the older person. Age and Ageing, 30, Souza, R. Anatomia do envelhecimento. Netto Eds. Paulo: Editora Atheneu. Pais-Ribeiro3, Mônica G. Sabe-se que o organismo humano é afetado de modo positivo ou negativo pelas circunstâncias do ambiente sócio-moral, econômico, político, religioso dentre outros.

Todavia, em boa medida, o sujeito é autor de sua própria história podendo afetar de modo positivo ou negativo as circunstâncias de sua vida por meio de um processo educativo que o conduza a desenvolver novos aprendizados em todas as dimensões de sua existência. Se o comportamento é aprendido, pode ser desaprendido ou reaprendido a partir de outras aprendizagens significativas e reflexivas.

O instrumento é constituído por 21 itens. Aplicou-se a mim algumas vezes, 3. Aplicou-se a mim muitas vezes e 4. Aplicou-se a mim a maior parte das vezes. Senti minha boca seca Feminino 1,75 0,84 Masculino 1,76 0,81 Senti dificuldade de respirar Feminino 1,63 0,85 Masculino 1,56 0,85 Preocupei-me com situações que podia entrar em pânico Feminino 1,80 0,94 Senti-me quase entrando em pânico Feminino 1,60 0,87 Masculino 1,53 0,79 Tive dificuldade de me acalmar Feminino 1,88 0,85 Masculino 1,80 0,84 Tive tendência de reagir em demasia em determinadas Feminino 1,87 0,82 Senti que estava utilizando muita energia nervosa Feminino 2,00 0,98 Masculino 1,92 0,93 Senti dificuldade de relaxar.

Feminino 2,14 0,95 Masculino 1,96 0,86 Tive dificuldade de tomar iniciativa e fazer alguma coisa Feminino 1,98 0,88 Masculino 1,97 0,87 Lovibond, P. Behaviour Research and Therapy, 33 3 , Braga, Universidade do Minho p. Official Records of the world Health Organization Number 2. United Nations, World health Organization. Geneve, Interim Comission.

Esses dados eram referentes a todos os partos ocorridos na zona urbana, rural e ribeirinha deste Município, sucedidos no período de Janeiro a Junho de No resultado da Anova, verificou-se a existência de diferenças significativas relativas à assistência ao pré-natal.

Revista Panamiana de Salud Publica, 17 1 , Almeida, M. Pequenos para a idade gestacional: Fator de risco para a mortalidade neonatal. Volume 5. Brasília — DF. Disponível em: bvsms. Coimbra, L. Coutinho, T.

Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 25 10 , Gama, S. N da, Ratto Leal, M. Haidar, F. Halpern, R. Disponível em: www. Rio de Janeiro. Moura, E. Osis, M. Serruya, S. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 26 7 , Silveira, D.

Teixeira, , entre outras. A título de exemplo, refira-se o estudo de Reis e Vilar que apesar de se ter constatado que os professores manifestam uma atitude positiva e de conforto relativamente à E. Relativamente à abordagem de temas de E. Material A Escala de Envolvimento em E. Perceived self-efficacy in cognitive development and functioning.

Educational Psychologist, 28 2 , Bronfenbrenner, U. La ecología del desarrollo humano: Experimentos en entornos naturales y diseñados [The ecology of human development]. Barcelona: Paidós Ibérica obra original de Cohen, J.

Retirado a 16 de Janeiro de de www. Desenvolvimento do regime jurídico estabelecido pela Lei n. Estrela, M. Porto: Porto Editora. Marcelo, C. Nóvoa, A. Nóvoa Ed.

NORMAL BAIXAR ACKLIN FONTE

Aveiro: Universidade de Aveiro. Resultados obtidos junto de uma amostra de professores.

Acklin Regular

Machado, L. Almeida, A. Guisande, M. Ramalho Eds. Braga: Psiquilíbrios Edições. Reis, M. Teixeira, M. Assim sendo, as questões levantadas foram: qual o conforto sentido pelos DT na abordagem dos diferentes temas da E.

O estudo quantitativo pôs em evidência que os professores atribuíam importância elevada às actividades que se realizam em E. Também Ramiro e Matos verificaram que os professores atribuíam à E. Nesse documento deve ser clarificado como a E. Lisboa: D. Relatório preliminar. Relatório de progresso. Relatório final. Ramiro, L. Machado, M. Lima, M. Calado Eds. Évora: Departamento de Psicologia, Universidade de Évora.

Thomas, M. The impact of group teaching on the acquisition of key skills to teach personal, social and health education. Health Education, 3 , Wiefferink, C. Outcomes of a systematically designed strategy for the implementation of sex education in Dutch secondary Schools.

Health Education Research, 20 3 , Wight, D. Meeting needs but not changing goals: Evaluation of in-service teacher training for sex education. Oxford Review of Education, 29 4 , A pessoa com cancro pode utilizar diferentes estratégias para lidar com o stress que advém desta doença. Outros estudos mais antigos, como refere Koenig et al.

Feito o levantamento de doentes, procedeu-se aos contactos telefónicos. Consoante a disponibilidade e interesse das pessoas contactadas, as entrevistas foram marcadas e tiveram lugar no serviço de oncologia, em contexto de gabinete disponibilizado para o efeito.

Antes da entrevista, cada participante foi informada dos objectivos e implicações do estudo, sendo facultada a carta de consentimento informado, assegurando a confidencialidade das respostas.

Deus é visto como alguém que ajuda nos momentos mais difíceis, que ouve e que orienta o mundo de uma forma geral. É também visto como um pai e como o criador do ser humano e do Universo.

E é nisso, que eu muitas vezes me apoio. Fé A fé foi um sentimento referido por todas as entrevistadas, sendo entendida como um sentir que possibilita encarar o problema com esperança e espírito de luta.

No estudo de Simon, Crowther, e Higgerson as participantes na fase pós-tratamentos e sobrevivência, definiram a fé durante a experiência de doença, como sustentadora, inspiradora e encorajadora. Segundo Harrison, Koenig, Hays, Eme-Akwari, e Pargament , uma aliança colaborativa com Deus é considerada uma estratégia de coping positiva. Neste estudo, existem limitações relativas ao tema em si, por exemplo, quando algumas participantes discorrem mais sobre determinadas teorias e conceitos religiosos adquiridos, afastando-se por momentos da sua experiência pessoal.

Em situações específicas, como num momento de doença grave, as pessoas podem utilizar estratégias de coping religioso que fazem parte do seu quadro orientador geral. Coping with breast cancer in later life: The role of religious faith. Psycho-Oncology 8 5 , Folkman, S. Positive psychological states and coping with severe stress.

BAIXAR FONTE ACKLIN NORMAL

Social Science and Medicine, 45 8 , Lisboa: I. Consultado em 10 de Novembro de , através de The epidemiology of religious coping. A review of recent literature. International Review of Psychiatry 13, Hill, P. Advances in the conceptualization and measurement of religion and spirituality: Implications for physical and mental health research.

Artistas começando com a letra "B"

Psychology of Religion and Spirituality, 1, Personal and contextual determinants of coping strategies. Journal of Personality and Social Psychology, 52 5 , Jenkins, R. Religion and spirituality as resources for coping with cancer. Somerfield Eds.

The Haworth Press. Musick, M. Religion and spiritual beliefs. Smith, J. Yardley Ed. London: Routledge. Nos anos 90 do século passado, a maioria dos incidentes violentos entre alunos envolvia, usualmente, armas de fogo. Em ambos os casos, os atiradores anunciaram na Internet que cometeriam tais crimes.

Em contraste, nos dias actuais, o uso das TIC, principalmente da Internet e dos telemóveis, aumentou drasticamente entre os mais novos. No entanto, isto também pode trazer graves problemas para dentro da sala de aula com os quais nunca ninguém se tinha deparado antes, como o é o cyberbullying Li, Perseguir alguém online por meio de ameaças danosas ou excessivamente intimidatórias; 4 denegrir deitar-abaixo.

Excluir intencionalmente alguém da sua rede de amigos. A segunda diferença diz respeito à invisibilidade do cyberbully.

Camuflado sob a capa do anonimato e. Uma outra diferença diz respeito à amplitude da audiência. Campbell aponta também para a diferença relacionada com o poder da escrita, ou seja, qualquer ameaça recebida por Internet ou telemóvel pode ser vista e lida vezes sem conta pela vítima vezes. O Quadro 1 resume as principais diferenças existentes entre bulliyng e cyberbullying. A empatia fomenta comportamentos pró-sociais e inibe os anti-sociais, na medida em que os indivíduos com uma elevada empatia têm tendência para procurar aliviar emoções negativas nos outros, para além de realizarem mais facilmente acções que beneficiam os outros.

Os alunos foram esclarecidos sobre a natureza e os objectivos do estudo, assegurando-se a confidencialidade dos dados. Importa relevar o facto dos níveis de descompromisso moral no estatuto dos agressores-vítimas serem mais elevados do que os níveis manifestes pelos agressores.

Estes resultados permitiram confirmar que o descompromisso moral é preditor do cyberbullying. Estes dados permitem tecer duas conclusões. Isto pode ter a ver com o facto dos jovens passarem mais tempo na Internet à medida que a idade avança, tal como o presente estudo o indica e, por conseguinte, se sentirem mais familiarizados com as TIC.

O constructo do descompromisso moral desempenha claramente um papel significativo no cyberbullying. Bandura, A. Moral disengagement in the perpetration of inhumanities. Personal and Social Psychology Review, 3, Belsey, B.

Canadian Teacher Magazine, Beran, T. The relationship between cyberbullying and school bullying. Journal of Student Wellbeing, 1 2 , Campbell, M. Cyber bullying: An old problem in a new guise? Australian Journal of Guidance and Counselling, 15 1 , Gini, G. Aggressive Behavior, 33, Hinduja, S. Offline consequences of online victimization: School violence and delinquency. Journal of School Violence, 6 3 , Cyberbullying: An exploratory analysis of factors related to offending and victimization.

Deviant Behavior, 29, Hymel, S. Moral disengagement: A framework for understanding bullying among adolescents. Special Issue: Journal of Social Sciences, 8, Jolliffe, D.

Development and validation of the Basic Empathy Scale. Journal of Adolescence, 29, Li, Q. New bottle but old wine: A research of cyberbullying in schools. Computers and Human Behavior, 23 4 , Bullying in the new playground: Research into cyberbullying and cyber victimization. Australasian Journal of Educational Technology, 23 4 , Lodge, J. Cyber-bullying in Australian schools: Profiles of adolescent coping and insights for schools practitioners.

The Australian Educational and Developmental Psychologist, 24 1 , Maia, P. Cyberbullying afecta alunos de Braga. Correio do Minho, National Crime Prevention Council. Stop cyberbullying before it starts. Involvement in traditional and electronic bullying among adolescents. Developmental Psychology, 43 3 , Slonje, R. Cyberbullying: Another main type of bullying? Scandinavian Journal of Psychology, 49, Steffgen, G.

NORMAL FONTE BAIXAR ACKLIN

Cyber bullying: The role of traditional bullying and empathy. When teens turn cyberbullies. The Educational Forum, 70, Willard, N. As doenças crónicas persistem ao longo do tempo, impondo alterações irreversíveis na vida do doente, como os tratamentos continuados dirigidos aos sintomas ou ao controlo da doença.

A amostra foi recolhida na consulta de alergologia do serviço de pediatria do Centro Hospitalar Cova da Beira. Factors influencing parent reports on quality of life for children with asthma. Journal of Asthma, 40 5 , Barlow, J.

Psycho-educational interventions for children with chronic disease, parents and siblings: An overview of research evidence base. Barros, L. Cabana, M. Asking the correct questions to assess asthma symptoms. Clinical Pediatrics, 44, Choi, T.

Beliefs about asthma medications: Patients perceive both benefits and drawbacks. Journal of Asthma, 45, Programa Nacional de Controlo da Asma.

Hentinen, M. Factors associated with the adaptation of parents with a chronically ill child. Journal of Clinical Nursing, 7, Horky, S. A comparison of parent and provider beliefs about asthma in children. Joyce-Moniz, L. Assessing the family asthma management system. Journal of Asthma, 34 1 , Klinnert, M.

Not publish Maltby, H. The parenting competency framework: Learning to be a parent of a child with asthma. International Journal of Nursing Practice, 9, Mansour, M. Barriers to asthma care in urban children: Parent perspectives. Pediatrics, 3 , McQuaid, E. Pediatric asthma management in the family context: The family asthma management system scale. Journal of Pediatric Psychology, 30 6 , Meng, A.

Decision-making in children with asthma and their parents. Journal of the American Academy of Nurse Practitioners, 14 8 , Lisboa: Climepsi obra original de Orrell-Valente, J. Jarlsberg, L. At what age do children start taking daily asthma medicines on their own? Pediatrics, 6 , ee Peterson-Sweeney, K.

Journal of Pediatric Health Care, 17 3 , Sawyer, M. The relationship between asthma severity, family functioning and the health-related quality of life of children with asthma. Quality of Life Research, 9, Quality of Life Research, 14, Silver, E. Relationship of parental psychological distress to consequences of chronic health conditions in children. Journal of Pediatric Psychology, 23 1 , Pedro, EPE e UA; 2Universidade de Aveiro A morte, ainda hoje, continua a ser encarada pela sociedade como tabu e como um dos maiores mistérios da vida.

A sua iminência deixa-nos inquietos e apreensivos, assim como aos pais de uma criança que vai morrer. Na nossa cultura, a morte de um bebé, de uma criança emerge como algo incompreensível uma vez que contraria a ordem natural do ciclo da vida. Horta refere que a morte de uma criança é a mais monstruosa, a mais impossível, a mais cruel de todas as realidades, suscitando em todos um medo e ansiedade extrema. Todos os factores apresentaram um valor próprio superior a 1. Também Mercadier Diogo, refere que os prestadores de cuidados do género feminino choram mais do que os do género masculino.

Tal assistência deve ser direccionada para a criança e para a família. O cuidado fica muitas vezes restrito aos procedimentos técnicos e às experiências pessoais de cada um quando perde um ente querido. Leia cada item e responda de acordo com os seguintes graus de resposta.

Indiferente; 4. Concordo Totalmente; 5. Horta, V. Cuidar em Fim de Vida. Lisboa: Coisas de Ler. Phaneuf, M. Contudo as pesquisas epidemiológicas revelam-nos ser muitos e complexos os factores que contribuem para a ocorrência de doença mental.

Esses determinantes ou factores de risco podem ser agrupados em diversas categorias Lehtinen et al.

BAIXAR FONTE ACKLIN NORMAL

Em ambos os casos, os factores subjacentes expressam-se em perturbações diferentes conforme o género. Klerman et al. Dunn et al. Como podemos observar, é na dependência alcoólica que as diferenças percentuais mais se acentuam para o género masculino.

Cruzando género e estado civil, a amostra de Psiquiatria revela taxas mais elevadas para os casados, mas igualmente mais elevadas para as mulheres, enquanto a amostra de psicologia elevou as taxas dos solteiros sempre mais altas para a mulher.

Os estudo de Weijers e Andrade et al. Quanto aos problemas de vida relacionais e ambientais, alguns estudos sugerem ser as mulheres mais sensíveis a conflitos nas relações sócio-familiares que os homens Kendler et al. Weissman et al. Outros estudos referem ser o género masculino um factor de risco para o suicídio La-Vecchia et al. A literatura vem ao encontro destes nossos resultados referindo ser a comorbilidade mais comum nas mulheres do que nos homens aumentando esta com a idade.

Andrade et al. Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, 37 7 , Andrade, L. Revista de psiquiatria clínica, 33 2 , Angst, J. European Archives of Psychiatry and Clinical Neuroscience, 5 , Antoniazzi, A. Brasil: Natal, Estudos de Psicologia, 3 2 , Barondes, S. Molecules and mental illness. New York: Scientific American Library. Blechman, E.